Seja bem-vindo. Hoje é

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

TEMPO SEVERO ANUNCIOU A CHEGADA DO REFRESCO

Após cerca de dez dias de calor extremo e ausência de chuvas na maior parte de Santa Catarina, o refresco chegou para aliviar os catarinenses que estavam sofrendo com as altas temperaturas. Esse tal refresco na verdade é uma frente fria, que passa pelo litoral do Estado, alinhando a umidade e calor vindos da floresta amazônica. O resultado não poderia ter sido outro. Para se ter o refresco, é preciso enfrentar alguns fenômenos do tempo. Foi exatamente isso que ocorreu.

As primeiras cidades a serem influenciadas foram as do sul do Estado. Observe a imagem de satélite no canal infravermelho realçado abaixo, o desenvolvimento das nuvens convectivas sobre a região.

Ainda fez calor na região, chegando a 29,4ºC em Criciúma, longe do calor absurdo dos últimos dias, porém peça chave para ativar a formação das instabilidades. O acumulado de chuva mais expressivo se deu em Timbé do Sul, onde chegou a precipitar 47,4 milímetros de chuva, sendo que em menos de uma hora já havia acumulado 29mm! Logo após veio Araranguá, onde a estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) totalizou 17 milímetros de chuva em pouco tempo.

Ao longo da tarde, o alinhamento do canal de umidade da amazônia com a frente fria no litoral, anunciado anteriormente, provocou o desenvivmento em massa de mais nuvens com desenvolvimento vertical sobre o território catarinense, deixando a imagem de satélite dessa forma:

O sistema de detecção de descargas elétricas do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - CPTEC/INPE, acusou várias descargas (pontos azuis) sobre o Estado, evidenciando ainda mais o poder do sistema.

No oeste, os temporais vinheram por volta das 14h. O acumulado em São Miguel do Oeste foi de 12,6 milímetros de chuva. O refresco chegou! A temperatura na cidade que era de 32,3ºC, caiu para 23,4ºC na hora do temporal.

No meio-oeste, um intenso temporal com granizo e ventos fortes provocaram estragos em Joaçaba. De acordo com o INMET, choveu 30,2 milímetros em menos de uma hora na cidade, decaindo a temperatua de 30,4ºC para 21,4ºC! Que refresco! Em Xanxerê não foi diferente, o temporal chegou com ventos de 64,8Km/h e um acumulado de chuva de 20,2 milímetros em menos de uma hora. A temperatura na hora do ocorrido caiu de 30,8ºC para 21,7ºC.

Na Grande Florianópolis, o sistema ficou mais intenso sobre a parte serrana da região. Em Anitápolis, segundo o Ciram, choveu 18 milímetros contra os 7mm registrados em São José. Na maior parte da ilha de Santa Catarina a chuva foi fraca e as vezes moderada, com algumas rajadas de vento. No geral só veio para refrescar mesmo. A temperatura em São José que antes da chuva era de 32,8ºC, decresceu para 25,7ºC. Que refresco!

Chegando ao Vale do Itajai, O Alto Vale teve chuva forte e bastante acumulativa, somando 47 milímetros em José Boiteux em poucos minutos de precipitação. No Médio Vale, Itajai teve um volume de chuva de 13,7 milímetros em 1 hora. A temperatura que era de 34,0ºC, caiu para 24,2ºC após o temporal. Os ventos na estação do Ciram na cidade alcançaram os 56Km/h.

Apesar de todos esses dados consideráveis pelo Estado, nada foi comparado com Joinville. Os moradores da maior cidade catarinense se depararam hoje com intenso temporal, despejando 72,6 milímetros de chuva, isso mesmo: 72,6 milímetros de chuva em 1 hora pela cidade. Os ventos ultrapassaram os 80Km/h e de acordo com dados do código meteorológico da aeronáutica METAR, houve queda de granizo. A temperatura máxima que foi de 37ºC no aeroporto, despencou para 24ºC! Foram registrados muitos estragos, como árvores e postes caidos, casas e ruas inteiras inundadas e parcialmente destelhadas e falta de energia elétrica. Veja as fotos abaixo:

Um incêndio numa distribuidora de alimentos pode ter sido provocado por raios que aconteciam com frequência na hora da tempestade. Confira na imagem abaixo, a quantidade explosiva de descargas elétricas na região de Joinville no exato momento do fenômeno:

Pelo radar meteorológico Simepar (já que o governo não ativa o radar do Morro da Igreja), é possível também observar melhor, tendo em vista a refletividade que o radar consegue obter nas nuvens. Pelas cores vermelhas, havia uma precipitação de 50 a 70 milímetros por hora (em média) na região:

Há poucas horas, um telejornal do grupo RicRecord em SC, exibiu uma reportagem, na qual falava-se um suposto tornado em Joinville, sendo que está sendo estudado pelos meteorologistas da região. Vamos esperar mais resultados!

De acordo com o CPTEC/INPE, a previsão é que essa frente fria se desloque para alto mar. Entretanto um cavado deve permanecer sobre SC, ativando novas áreas de instabilidade e provocando pancadas de chuva nos próximos dias. Ainda pode chover forte na região de Joinville na próxima madrugada!.

DADOS: CPTEC/INPE, REDEMET, INMET, EPAGRI-CIRAM, DIÁRIO CATARINENSE, A NOTÍIA

Um comentário:

Gilson disse...

Moro na zona sul de Joinville e por aqui caíram apenas alguns pingos de chuva. A região mais afetada fica a aproximadamente 15km da minha casa. Agora à noite foi publicado no jornal A Notícia um vídeo do tornado:
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a2805408.xml